São Luís | Maranhão
 
   


João Bentivi
 



O danado Pedro
O TRE no olho do furacão
A Primeira Ninguém Esquece
Resposta ao Governo do Maranhão
O poço não tem fundo
Metropolizar sem conversa fiada
Dois Josés
Resposta ao Doutor Pêta
O mundo é do bispo
Abrindo Caixas Podres
A volta midiática do aborto
Nota solta 1
Deu a louca nas elites, graças a Deus
Vendilhões da Justiça
Dino sem máscara
Como é bom ter o Lula
A felicidade se chama Obama
Em nome de Obama
É hora de caldo de galinha
Debates e orgasmos


Páginas: 1  2  3  >>  >>|

  Resultados: 1 a 20 de 46 Páginas

10/08/2009
Resposta ao Doutor Pêta

No domingo, dia 02/08/09, fui personagem de uma nota, de absoluto mau gosto, no Colunaço do Pêta/JP. Nos melhores moldes do bom jornalismo e da cidadania, encaminhei um esclarecimento e esperava vê-lo publicado. Tal não aconteceu.

A resposta veio truncada e ininteligível, a ponto de as pessoas não entenderem nada. Estava difícil entender.

Sem querer polemizar, até porque essa polêmica se transformaria, para mim, em um perder tempo sem fim, em um momento em que a história brasileira e o Maranhão, em particular, guardam assuntos mais importantes, publico, no espaço democrático desse blog, a resposta tão traiçoeiramente amputada.

Senhor, doutor Pêta,

Tenho por hábito, como jornalista e cidadão de bem, respeitar a imprensa, mesmo que não concorde e, de maneira específica, aos jornalistas, ainda que se escondam sobre alcunhas, pseudônimos ou qualquer coisa que isso valha.

Há muito não leio o “Colunaço do Pêta”, não por achá-lo desimportante, mas porque as minhas múltiplas atividades obrigam-me a priorizar as minhas ações, incluindo as minhas leituras. Entretanto fui informado por amigos, que a citada coluna referiu-se a mim, de maneira pouco elogiosa. Li. Não há dúvida que a notícia é descabida, apressada e injusta e o currículo de “renomado otorrinolaringologista, advogado, jornalista, regente de coral, saxofonista, cantor desafinado, político, empresário, pastor, ambientalista e fervoroso apreciador das artes e letras...” determina tratar-se de minha pessoa, João Bentiví.

Sou responsável por honrar esse currículo, agradeço o imerecido “renomado” e respeito a designação de “cantor desafinado”, apesar de não corresponder aos aplausos que recebi do mesmo doutor Pêta, quando, por mais de uma vez, cantei e toquei em sua residência, na ocasião dos seus aniversários.

A questão principal dessa resposta prende-se à minha vida médica, principal profissão. Faço tudo para exercitá-la nos limites de minhas possibilidades. Sou médico há 31 anos, trabalhei no antigo IPEM. Durante 16 anos, fui perito legista do Estado do Maranhão e, há quase 30, sou médico concursado do antigo INAMPS, atualmente, do Ministério da Saúde, lotado no Hospital Infantil Juvêncio Matos.

Aproveito a oportunidade para informar ao doutor Pêta e para as autoridades da saúde desse estado que a minha fila de cirurgia, no Juvêncio Matos, se aproxima de 200 crianças: é um verdadeiro estado de calamidade pública e o que posso fazer como médico, faço.

Voltemos ao foco principal, a tal nota da coluna  de domingo do JP.

 Tenho na história de minha vida, como médico, muitos milhares de consultas e cirurgias e guardo alguns detalhes que o doutor Pêta necessita conhecer. Pouquíssimos médicos desse estado realizaram tantas consultas e procedimentos cirúrgicos gratuitos, quanto eu. Enfatizo, gratuitos!  Basta verificar os arquivos da Santa Casa, Hospital Dutra e Juvêncio Matos ou, para diminuir o trabalho, ir até o Hospital Tarquínio Lopes, nosso querido Hospital Geral.

O meu nome está na escala do Centro Cirúrgico, mas o que não está escrito, doutor Pêta, é que pelo árduo trabalho que lá realizo, eu não ganho nenhum centavo, nem do hospital, nem do governo e nem de ninguém, além do mais, o material cirúrgico é de minha propriedade: os hospitais públicos de São Luís, em regra, não possuem material cirúrgico para otorrinolaringologia.

 O meu passado e o meu presente, como profissional médico, falam de milhares de cirurgias feitas esperando a gratidão de Deus somente. O meu vínculo com o Hospital Geral, por exemplo, é somente a minha consciência cristã e cidadã. Nada mais! Nunca tinha revelado isso, achava desnecessário e deselegante revelar, no entanto a nota vil obriga-me a fazê-lo.

A nota do “Colunaço” trata de um “Índio”. A história comprova que já operei, gratuitamente, maranhenses, pernambucanos, cariocas e não tenho nenhum motivo para não operar chinês, inglês ou índio. De graça, fique claro!

Isso posto, pelo respeito que tenho ao Jornal Pequeno, órgão jornalístico que por muito tempo veiculou uma das mais sérias colunas do jornalismo maranhense, de minha lavra, a JANELA LIVRE. Pelo respeito que tenho à memória de Ribamar Bogéa. Pelo respeito que tenho a dona Hilda e aos tantos Bogéas, incluindo muitos da segunda e terceira geração, que foram meus alunos, como o próprio doutor Pêta o foi, espero merecer a publicação dessa simples nota, não para satisfação pessoal, pois de tão feliz que sou, ser satisfeito é uma simples e prosaica decorrência.

Essa nota insere-se na responsabilidade que tenho pelo respeito à minha história e zelo por minha honra. Respeito e zelo são indeclináveis.

 

João Melo e Sousa Bentiví

 
Lucivaldo Vieira - Caramba, tu és tudo isso mesmo Bentiví. Carambaba! Deve ser por isso que o doutor petinha te critica

Emanoel Viana - A gente lê e ouve o que quer. Não leio Jornal Pequeno desde que o Zé Paródia morreu! E a gente só deve responder a quem está acima de nós.

cid luis - Emanoel Viana todo mundo sabe que tú não é normal. Louco, Varrido de Pedra. Vai tomar teu Gardenal.

josé wilson gomes da silva - DOUTOR BENTIVI, as criticas só te fazem crescer ainda mais ,vç é um excelente medico digo isso por experiencia propria,todos os maranhenses conhece seu trabalho o seu carater voçe merece o respeito de todos nós maranhenses,continui sendo essa pessoa maravilhosa que vç é, um grande abraço.

João Bentivi - Aos amigos, grato pelos comentários. Relembro que a resposta que está no blog, foi malvadamente truncado no referido jornal. Paciência!No mais, tudo segue em ambiente tranquilo. Um mabraço

Evellen Silveira - Boa resposta! bem ao teu estilo! Parabéns! e sua carreira profissional cabe a quem te conhece, seus pacientes, alunos e colegas de trabalho, e esses posso te garantir te respeitam!

 
Páginas:
Resultados: 1 to 6 de 6