São Luís | Maranhão
 
   


João Bentivi
 



O danado Pedro
O TRE no olho do furacão
A Primeira Ninguém Esquece
Resposta ao Governo do Maranhão
O poço não tem fundo
Metropolizar sem conversa fiada
Dois Josés
Resposta ao Doutor Pêta
O mundo é do bispo
Abrindo Caixas Podres
A volta midiática do aborto
Nota solta 1
Deu a louca nas elites, graças a Deus
Vendilhões da Justiça
Dino sem máscara
Como é bom ter o Lula
A felicidade se chama Obama
Em nome de Obama
É hora de caldo de galinha
Debates e orgasmos


Páginas: 1  2  3  >>  >>|

  Resultados: 1 a 20 de 46 Páginas

09/05/2009
O mundo é do bispo

        Ou o bispo é mundano? Mundano é uma expressão muito corrente nos evangélicos ortodoxos, principalmente pentecostais, e serve para designar os desviados e viciados, principalmente na área sensível da sexualidade. Assim, na ótica religiosa conservadora, católica ou evangélica, o presidente do Paraguai, ex-bispo Fernando Lugo, cai como uma luva na designação de mundano, ou seja, um grande pecador.

        Pecados à parte, o presidente Lugo é um fenômeno de marketing global. Sem nenhum esforço (o esforço foi no passado) obscureceu Barack Obama. Armadinejah foi para o chinelo. O louco norte-coreano soltou míssil, sem dar em nada e essa turma da América Morena, Morales, Correa, Lula e Chaves transportaram-se para o beleléu da insignificância midiática.

        No dizer do Nelson Rodrigues, foi o óbvio ululante. O ex-bispo é notícia em algo que, desde Adão, não representa nenhuma novidade: fazer filhos. Tenho sete e nunca fui notícia em jornal nenhum por essa humilde performance. Ninguém entenda essa afirmação como inconformismo de minha parte. Mas lá no fundo, bem no fundo, muitos homens estão morrendo de inveja do ex-bispo. Senão vejamos:

        O bispo, tudo indica, era um amante avassalador: desconhecia idade, tipo físico, raça, grau cultural ou outros detalhes de tamanha insignificância. Tudo era festa na pira do amor. Era um clínico geral da alcova!

        Também era um excelente administrador do tempo. Repartia, sem maiores esforços, a atividade de ativista político com os momentos de pastor de almas e os momentos de pastor de fêmeas. Como não havia reclamações, é de se supor que o bispo realizava as atribuições a contento. Um vencedor, quer paramentado para o sacerdócio, quer despido entre lençóis.

        Que momento mágico poderíamos imaginar, por exemplo, na santa ceia, o bispo colocando a santa hóstia na adocicada boca de uma dos seus múltiplos amores. Nesse momento hipotético, os dois pastores – da alma e da fêmea – se confundiam em um só: o verdadeiro e único Fernando Lugo!

        Nem tudo eram facilidades, porém, na vida libertina e alegre do sacerdote. Homem público, conhecido por todos, facilmente poderia ser visto entrando ou saindo dos motéis. O perigo do escândalo estava em cada esquina. Namorar no banco da praça ou no escurinho do cinema, nem pensar. Um parêntese: acho que o bispo não tinha tempo para namorar, agenda lotada, no linguajar mais rasteiro, seria o voraz comedor.

        Assim, é de se supor (de novo) que o bispo deve ter criado uma séria de disfarces no desiderato prazeroso de aplacar a fúria dos seus hormônios: perucas, bigodes postiços, chapéu de mexicano, saia rendada, capacete de motoqueiro, etc. O que deve ter quebrado muito galho do bispo, seguramente, foi o aconchegante e discretíssimo ambiente da sacristia e do confessionário. No linguajar mais rasteiro (de novo) consumava-se ali a famosa rapidinha, à moda Bill Clinton, no banheiro do Salão Oval.

        A rapidinha não rima com camisinha. Deve ser esse o segredo de tantos filhos.

        Outra vantagem do bispo em relação aos outros homens que me permito chamar de normais (sem com isso dizer que o bispo é anormal) seria o baixo custo financeiro de suas conquistas.

        Quem tem esposa ou namorada, tomando como parâmetro a classe média, sabe que o amor não é barato. Somem-se cinema, festas, ceias, jantares, presentes, gasolina, táxi, motéis, viagens e o abalo financeiro não é de pouca monta. Passa despercebido em comparação com a felicidade. A felicidade não tem preço!

        O bispo era feliz sem preço nenhum. Acho mesmo que quem recebia presente era ele. É de se supor (de novo) que, entre suas múltiplas escolhidas, alguma fosse casada e agora a suposição toma cores de folhetim: o marido, junto com a esposa duplo-ofício, comprando um presente de aniversário para o bispo. Como o amor era clandestino, por definição, o bispo se livrou de cinema, festas, ceias, jantares, presentes, conta de água, conta de luz, telefone, internet, TV a cabo, viagens, etc. Amores a custo zero. Amores à moda bispo!

        Finalmente, um elogio obrigatório: a capacidade de convencimento episcopal! Um amigo meu sempre me avisou que não haveria um só padre que fosse bobo. Bispo, nem pensar! O cabra que chega a bispo pode até chegar a papa!

        O bispo, como disse inicialmente, era o clínico geral da alcova, e há muito tempo. Tem filho de todas as raças, de todas as cores, de todos os sexos e de todas as idades. Falam até que, no Paraguai, metade dos infantes são do bispo e a outra metade está em dúvida.

O brilhantismo é como tantas mulheres, acusadas costumeira e injustamente de falarem muito, guardaram tantos segredos, por tanto tempo. Qual foi a tática de convencimento? Algum artifício canônico? Uma delas, inclusive, apresentou um motivo patriótico: não poderia prejudicar a brilhante carreira política do então reverendo.

O hilário, de tudo isso, é que, com tantas mulheres e tantos rebentos, o Paraguai continua perdendo para o Brasil em um ponto que, posso assim dizer, rima com segurança nacional.

Basta observar as últimas fotografias de chefes de estado, mundo afora, da cordilheira dos Andes ao Himalaia. Em todas, todas mesmo, somos brindados com o sorriso simpático, soturno e enigmático de dona Marisa Letícia Lula da Silva. Dela nunca se ouviu uma só palavra, tanto que o Lula anda com um tradutor a tiracolo, dona Marisa, não! Dona Marisa não dá essa despesa aos cofres brasileiros: não há tradutor para o silêncio. Mas sobra o sorriso: simpático, soturno e enigmático.

Fernando Lugo é um solitário, tal qual um cachorro pirento, viaja sozinho. Dezenas de mariposas e nenhuma para lhe catar cafuné, em uma noite de lua. A única companhia é o peso do pecado da lascívia e não tem a felicidade diuturna e inapagável do nosso Lula: o sorriso simpático, soturno e enigmático de dona Marisa. Em resumo: o Paraguai não tem primeira dama! Viva dona Marisa!!!

Uma dúvida se abate nos corações dos irmãos do outro lado do rio: o agora ex-bispo continuará a sua peregrinação lupanar, ou livre das amarras do celibato, conformar-se-á com uma só mulher, de acordo com os ensinamentos da santa igreja? Pelo menos dessa vez respeitará a santa madre igreja?

Somente ele poderá responder, mas, cá com meus botões, quero lembrar-me de uma frase do amigo, famoso médico maranhense, Caio Carvalho: o leão do circo, que um dia saboreou a carne quente de uma criancinha, jamais se acostumará, novamente, com a carne gelada do frigorífico! O pecado vicia!

Por enquanto, o leão se chama Fernando Lugo e não está comendo carne de frigorífico!

 

 
cidluismaranhão - Bentinho será que esse bispo tem coragem de traçar Roseana, ou só Jorginho que tem estômago pra isso?

Costa - Desviado vc entende, vc está desviado há muito tempo.. volte pra Jesus irmão.

Marcos Pires - Caro Bentivi, Amanha será votada a lista no TJ. O que voce acha dessa denuncia grave do promotor juarez medeiros em seu blog: http://oparquet.blogspot.com/ "Amanhã, o Tribunal faz a lista tríplice. Parece não restar dúvidas de que o acerto entre os três nichos de poder prospera e o colega José de Ribamar Froz Sobrinho, boquejam, será o ungido. A propósito, Sobrinho é sobrinho mesmo, do presidente do Tribunal. Outros sussurram que não preenche o requisito da conduta ilibada e deveria ser defenestrado, pois respondeu a uma sindicância iniciada em 04/12/06, para averiguar eventual participação em direcionamento da distribuição de procedimento instaurado a pedido de Georgina Trovão Moreira Lima, com o intuito de beneficiar Rômulo Augusto Trovão Moreira, em questões ligadas a irregularidades contidas na limitação de áreas situadas no Loteamento Quintas do Calhau. Em 31/10/08, a comissão concluiu pela instauração de processo disciplinar, sob as imputações de “subtração de documento público, advocacia administrativa e coação no curso do processo”, matérias anotadas nos artigos 314, 321 e 344, do Código Penal. Porém, em março último, quando da primeira inscrição dos candidatos à vaga, alegando falta de justa causa, violação da ampla defesa e do contraditório, ajuizou o Mandado de Segurança nº 7433/2009, no qual a desembargadora Maria dos Remédios Buna Costa Magalhães concedeu liminar, determinando o sobrestamento de qualquer procedimento administrativo referente a essas imputações, até o julgamento do mandamus, previsto para 18/06, com parecer favorável do Ministério Público. Nenhum dos seus colegas que concorreram ou ainda concorrem impugnou sua candidatura, talvez prevendo a cláusula pétrea da presunção de inocência, — que não é enfeite no texto constitucional —, ou pela elementar falta de coragem. As instituições fugiram da sabatina, mas não fogem da regra: “Mateus, primeiro os teus”. Ou melhor, "CUTRIM, PRIMEIRO PRA MIM”

 
Páginas:
Resultados: 1 to 3 de 3