São Luís | Maranhão
 
   


João Bentivi
 



O danado Pedro
O TRE no olho do furacão
A Primeira Ninguém Esquece
Resposta ao Governo do Maranhão
O poço não tem fundo
Metropolizar sem conversa fiada
Dois Josés
Resposta ao Doutor Pêta
O mundo é do bispo
Abrindo Caixas Podres
A volta midiática do aborto
Nota solta 1
Deu a louca nas elites, graças a Deus
Vendilhões da Justiça
Dino sem máscara
Como é bom ter o Lula
A felicidade se chama Obama
Em nome de Obama
É hora de caldo de galinha
Debates e orgasmos


Páginas: 1  2  3  >>  >>|

  Resultados: 1 a 20 de 46 Páginas

20/12/2008
Dino sem máscara

        Há fatos que se notabilizam, exatamente, pela inconsistência, pelo inusitado e pelo despropósito. É exatamente assim que vejo a representação, à Justiça Eleitoral, feita pelo deputado Flavio Dino, tentando usurpar e surrupiar o mandato do prefeito João Castelo, obtido exatamente como deveria ser obtido: pelo voto popular e democrático, a conquista maior da democracia.

        A surpresa não provém da ação, em regra tão comum, mas do patrono da ação, o neo-deputado Flavio Dino.
        A sua biografia, exaustivamente decantada por ele e por setores da esquerda, retirando-se o juiz federal, é bem mais que comum, um contraste abissal com a sua caminhada política, meteórica, muito e muito singular: ativista estudantil, como milhões o foram, depois um alguém sem voto algum, habituado aos corredores da Justiça, tornou-se um  deputado campeão de votos, em 2006, e, finalmente, segundo colocado, na eleição de São Luís, em 2008.

        Entretanto, quando se põe a lupa da seriedade, vê-se que o jurista, cordeiro branco sem mácula, suponho, na atividade judicante, na atividade política está muito mais para onça-pintada. Nas palavras, salvo engano, do Paulo Rios, entrou na atividade política pelas portas dos fundos e como porta dos fundos, leiam-se os acordos feitos pelo então somente ex-juiz, com os políticos mais clientelistas e atrasados do Maranhão.

        Eficazes acordos. Ganhou a eleição parlamentar e conspurcou, definitivamente, a sua biografia política!

        O pleito municipal de São Luís poderia redimi-lo. Não redimiu. A chegada ao segundo turno operou em Dino o efeito Midas ao contrário: fez tudo errado e o ouro adquirido transformou-se em esterco. A prepotência e falta de humildade sepultaram todas as sublimadas qualidades do neo-parlamentar, a tal ponto que nem Tadeu, nem Dilma, nem Lula e nem Sarney o livraram da derrota.

        Quando afirmei, quase solitário, em meu blog, que Dino era o candidato de Sarney, o fiz, em primeiro lugar, por ter o depoimento insuspeito de alguém que participou da reunião com a senhora Roseana Sarney. Nessa ocasião as diretrizes do velho cacique foram postas. Palavras de Roseana: “o Flávio é o candidato de papai”!.

        Em segundo plano, desejava que o então candidato a prefeito de São Luís, fosse coerente, sério e mostrasse a sua verdadeira cara, despindo-se da máscara pseudo-oposicionista. Faltou-lhe ser verdadeiramente homem, no que essa palavra tem de mais belo, para dizer: Sarney vota em mim. Nunca disse e até hoje se esconde desse episódio.

        Não há razão para isso: 99% dos políticos do Maranhão, sem méritos ou deméritos, já compuseram com Sarney em um ou outro momento (eu, João Bentiví, faço parte do 1%); Renan, Maluf, Pita, Dantas, Dirceu, Dilma, Lula... todos sarneizaram ou continuam sarneizando. Dino seria somente mais um, nada mais e nada demais.

        Alguém disse que as más companhias corrompem os bons costumes. Eu concordo e adianto que quem é professor, só precisa de aluno. O professor, em epígrafe, denomina-se José Sarney e o aluno mais destacado é, com méritos, o neo-deputado Dino.

        Tudo que Sarney programou para atrapalhar o Maranhão, tentando a cassação de Jackson Lago, nos tribunais, o Dino tenta repetir. No primeiro caso, a vítima é o povo do Maranhão, no segundo, caso tenha êxito, igualmente vítima será o povo de São Luís.

        No passado mais distante, pensou-se que Zequinha Sarney seria o sucessor político do pai. Engano, o limite do rapaz foi a Câmara Baixa. Depois se imaginou ser a Roseana. Novo engano, a moça era um produto de marketing. Quando pensávamos todos que Sarney não tinha sucessor, mais um engano. Tem.

        Chama-se Flavio Dino. A genética, às vezes, é menos importante que a adoção, mesmo que essa ocorra somente no mundo imaginário das idéias. Ainda que não conste e nunca constará, decerto, nos registros públicos, pelo comportamento, o neo-deputado  denominar-se-ia Flavio Dino Sarney!

        Pouco importa se o verbo denominar está no futuro do pretérito. A estripulia de Dino está no presente do indicativo.

        Reage, São Luís!

 
Márcio Jerry - Realmente há fatos que se "notabilizam, exatamente, pela inconsistência, pelo inusitado e pelo despropósito", ingredientes que se amontoam no teu estranho panfleto. Sem comentários, Dr Bentivi.

cid luis - não é só João Alberto, tu também tem a "finesse" e a elegância de um elefante numa loja de cristais.

Ronaldo Leal Ferreira - Votei no candidato Flavio Dino para prefeito de São luis,porém concordo em número, gênero e grau com as palavras do Sr.João Bentivi.

salazar - Dr. essse deputado não se elegera mais, simplismente ele não terá mais o apoio de Reinaldo e Coutinho.

Mario Leal da Silva - Caro Bentivi, Gostei muito da análise. Bem feita e coerente. Quem tem sido incoerente, meu caro Jerry, (cadê o Tom) é seu deputado que vem desafinando horrores. Bentivi, me diga sem pestanejar, porque o Joãozinho Ribeiro insiste em trazer a Alcione Sarney Nazareth e a Banda do Bicho para tocar no Baile de Gala? Talvez até mereça um artigo explicativo.

JOÃO BENTIVÍ - COMO É GOSTOSA ESSA REDE, NEM PRECISEI RESPONDER: RESPONDERAM MUITO MELHOR QUE ESSE HUMILDE ESCRIBA. BOAS FESTAS E FELIZ NATAL!

Ana Lídia - Quanta besteira num mesmo texto. Acha mesmo que a repetição dessa mentira vai virar verdade? O Flávio Dino é o que tem de melhor na nova política maranhense, sem Sarney ou Jáckson. E mais, o Sarney apoiou Castelo, senão como se explica o apoio de toda sua base a Castelo? Cutrim, Valdir e até Pedro Fernandez pediram votos para Castelo no segundo turno. Deram um Golpe nos eleitores de São Luis e você fez parte disso, querendo ou não.

Gustavo Mamede - Caro amigo Bentivi, sou admirador dos seus artigos e sempre elogio por deixar a vontade o leitor com relação ao que foi escrito. Porém, não posso deixar de dizer que essa "conclusão" individual sobre o posicionamento politico do Dr. Flávio Dino é equivocada, visto que, é um politico sensível com as causas populares e com todos os méritos foi destaque na Câmara Federal, inclusive, ficando entre os politicos mais atuantes da república. Portanto, caro amigo Bentivi, você foi infeliz em expor a sua opinião a respeito de um politico admirado por todas as classes sociais do Maranhão. Feliz 2009!

 
Páginas: << 1 | 2 >>
Resultados: 1 to 8 de 10