São Luís | Maranhão
 
   


Matias Marinho
 



Já estamos no novo site
"Esquerda é coisa de gente rancorosa e invejosa", diz Lobão
Governadora lamenta a morte de Flor de Lys
Como a Prefeitura de São Luís vê sua casa
Guerrilha do Araguaia: Porto Franco homenageia João Carlos Haas Sobrinho
Uma greve que começou errada; conduzida de forma equivocada e de desfechos quase obscuros
TRT endurece a briga com os rodoviários grevistas
Greve: TRT diz não ter expedido mandado de prisão contra presidente do Sindicato
Mais uma vez, papelão de Waldir Maranhão no CQC. Pense num mala!
Bispo de Grajaú repudia decisão de juiz sobre aborto de anencéfalo
Um protesto contra a fedentina. Alô Caema, alivia a pressão aí sobre Castelo!
Caso Venancinho pode ser julgado nesta semana no TSE
Gilberto quer praça da Juventude em bairros de Paço
Pastor Bel revela que Edinho estaria em coma profundo
Abortada tentativa de rebelião em Pedrinhas
Luís Fernando faz abertura de Seminário em Rosário
Bacelar: o tresloucado, mas, nem tanto, defensor do governo na AL
Mais uma da Justiça: Desembargadores decidem arquivar processo contra juiz Douglas Amorim
Greve e nóticia sobre Edinho acabaram com a viagem de Roseana à Brasília
Desembargador revoga soltura do vereador de Tuntum


Páginas: 1  2  3  >>  >>|

  Resultados: 1 a 20 de 662 Páginas

24/05/2011
Mais uma vez, papelão de Waldir Maranhão no CQC. Pense num mala!

É ponto pacífico que o programa CQC, da Band, apresentado pelo carequinha Marcelo Tas, pegue pesado com a classe política, sobretudo, no que diz respeito à edição das falas dos parlamentares levadas ao ar.

Parlamentares reclamam que o programa não costuma exibir os acertos dos deputados federais – segundo eles, a grande maioria – sobre as perguntas que são feitas pela humorista Mônica Iozzi no quadro “Controle de Qualidade”.

Mas, em que pese essa edição, não é possível que o deputado Waldir Maranhão sempre apareça em maus lençóis no programa e não acerte uma.

Na sua penúltima aparição, Danilo Gentilli perguntou ao parlamentar quem era o relator do Código Florestal. Tratava-se de Aldo Rebelo, do PC do B, mas ele não soube dizer. Ficou numa embromação ridícula enrolando, elogiando o colega sem dizer seu nome.

Feio, muito feio.

Ainda na penúltima aparição de Maranhão, no mesmo quadro, ele não soube dizer onde mataram Osama Bin Laden, quando o mundo inteiro acompanhava o show de cobertura da mídia internacional sobre a morte do terrorista no Paquistão.

Na edição de ontem, dia 23, mais uma vez apareceu Maranhão.

Agora, particularmente, entendo que a nova pergunta feita ao parlamentar tenha sido mais difícil do que todas já feitas: como ele conseguiu aumentar seu patrimônio em mais 400%, de acordo com declarações de 2006 e 2010, feitas ao TSE.

Novamente, ele se utilizou de um argumento vergonhoso. Disse que não era um simples veterinário.

– Sou veterinário que tem uma formação acadêmica, que foi reitor de uma universidade, que exerço um mandato parlamentar – blá-blá-blá e blá-blá-blá.

Vendo a tamanha cara de pau do deputado maranhense de embromar, embromar e embromar, a humorista insistiu:

– Mas o senhor não explicou de onde veio esse crescimento?

E tome mais cara de pau do já folclórico deputado maranhense:

– Temos um crescimento humano, um crescimento intelectual e com certeza é dentro desse crescimento humano, desse crescimento intelectual que cada um vai dando sua contribuição para a sociedade.

Pense num mala!

AQUI, O VÍDEO DO PENÚLTIMO PAPELÃO DE MARANHÃO NO CQC

AQUI, O VÍDEO DO ÚLTIMO PAPELÃO DE MARANHÃO NO CQC

 
 
Páginas:
Resultados: 1 to 0 de 0