São Luís | Maranhão
 
   


Márcio Endles
 



Movimento Social de Combate a Corrupção do Brasil exporta experiência
Juiz libera acusados de furto de melancias em Decisão Brilhante
STF cassa privilégios concedidos aos juízes do RN
Ótimo artigo sobre Exame da OAB e sua constitucionalidade
PPS, DEM e PSDB entram com ADI no Supremo contra fixação do mínimo por decreto
Decisão de TJ torna jurídico o adágio popular: “...” de bêbado não tem dono!
União homossexual vence de 3x2 mas ainda faltam 4 ministros votarem no STJ
Justiça manda São Paulo devolver Taça de Pentacampeão para CBF
Atenção Advogados Trabalhistas: Novo envio eletrônico na Justiça do Trabalho
BBB: destruição dos Heróis e Valores sociais?
Presidente do STF quer rapidez do Senado para Novo Ministro
Em Defesa da OAB, seu Presidente e da Verdade!
STF indefere pedido de Liminar de Candidato atingido pela Lei da Ficha LImpa
Posição do STF pode mudar forma da contagem de votos e com isso resultados das eleições
Planos devem cobrir doenças reconhecidas pela OMS
Exame da OAB é constitucional!
Supremo altera Regimento Interno e cria nova classe processual
Finalmente férias aos advogados: Parabéns a OAB/MA na pessoa do presidente Mário Macieira e toda Diretoria!
Administração deve notificar concursado pessoalmente para posse e apresentar documentos
Teorias da Conspiração


Páginas: 1  2  3  >>  >>|

  Resultados: 1 a 20 de 58 Páginas

19/03/2011
STF cassa privilégios concedidos aos juízes do RN

    Isenção de custas para juizes é inconstitucional. O dispositivo da Lei Complementar 165/99, do Rio Grande do Norte, que isenta juízes e servidores do Poder Judiciário do estado do pagamento de custas e emolumentos pelos serviços judiciais e extrajudiciais é inconstitucional. A decisão unânime do Pleno do Supremo Tribunal Federal foi proferida nesta quinta-feira, no julgamento de Ação Direta de Inconstitucionalidade proposta pela Procuradoria-Geral da República.

    O ministro Ricardo Lewandowski, relator do caso, destacou em seu voto que o artigo 240 da LC 165/99 viola os princípios da igualdade e da isonomia tributária. Citou ainda precedentes do Supremo ao votar pela procedência da ação. Todos os ministros acompanharam o voto do relator.
A ADI foi impetrada em 2004. Nela a Procuradoria-Geral da República argumentou que “não se pode vislumbrar uma situação de desigualdade entre os membros e servidores do Poder Judiciário e os contribuintes em geral que justifique o tratamento diferenciado pela lei”.

     O órgão afirmou ainda na ação que o inciso II do artigo 150 da Constituição veda qualquer tratamento desigual entre contribuintes que se encontrem em situação equivalente, “estando proibida qualquer distinção em razão de ocupação profissional ou função por eles exercida”. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

www.conjur.com.br
 
 
Páginas:
Resultados: 1 to 0 de 0