São Luís | Maranhão
 
   


Glaucio Ericeira
 



TJ recebe denúncia contra prefeito “Mão de Ouro”
Câmara dará a palavra final sobre o “impasse dos suplentes”
Péssima notícia para Chiquinho Escórcio: Câmara continuará empossando suplentes das coligações
Pedófilos são mantidos reféns em Pinheiro
Deputados do PR divulgam nota de apoio ao governo Roseana
Eleitor que faltou aos três últimos pleitos pode ter título cancelado
Com mais de R$ 8 mi, Zé Vieira é o 24 º parlamentar mais rico de Brasília
TJ/Ma condena Natura e Bom Preço a indenizarem consumidores
Máfia em família: PF no encalço do prefeito Nenzim, de Barra do Corda
TCE desaprova contas de Dr. Miltinho, ex-prefeito de Barreirinhas
“A derrota não seria minha, seria do Ricardo”, afirmou José Mário
O assunto da vez, agora, é a eleição da FAMEM
EMA confirma o que o blog disse: Mesa Diretora apóia governo Roseana
Algumas reflexões sobre a eleição da Assembleia
“Serei o presidente de todos os deputados”, afirma Arnaldo Melo
Arnaldo Melo é o novo presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão
Deputados estaduais tomam posse. Eleição para Mesa Diretora acontece às 11h30
Os erros de Ricardo Murad
Casa Civil comandará processo de metropolização da Grande Ilha
Eleição na AL: Manoel Ribeiro quer disputar presidência com Murad


Páginas: 1  2  3  >>  >>|

  Resultados: 1 a 20 de 150 Páginas

03/02/2011
TJ/Ma condena Natura e Bom Preço a indenizarem consumidores

     

     Bom Preço recusou cheque de cliente. Produto da Natura causou coceira em uma mulher

 

A 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) condenou a Natura Cosméticos e o Bompreço Supermercados a pagarem indenização por danos morais a consumidores lesados.

O relator dos processos, desembargador Cleones Cunha, deu parcial provimento aos pedidos e reformou as decisões do juízo da 8ª Vara Cível da capital, alterando o valor da indenização da empresa de cosméticos de 10 para 3 mil e do supermercado de 10 para 5 mil.

No caso da Natura, a cliente afirmou que no dia 21 de abril de 2007, adquiriu um hidratante de limão, e ao usar o produto sua pele reagiu, com vermelhidão e coceira, fazendo com que permanecesse 30 dias sem sair de casa. Segundo a consumidora, a empresa foi informada sobre o problema, inclusive com o envio do laudo médico, propondo o reembolso do valor dos gastos com os remédios utilizados no tratamento.

Com relação ao supermercado Bompreço, a solicitação foi da Cooperativa de Crédito Mútuo da Magistratura e do Ministério Público no Maranhão – Coomamp, que teve seu cheque recusado, no ato em que uma cooperada realizava compra em um dos supermercados da rede, em 2005.

De acordo com os autos, depois de ter passado suas compras, a cliente foi surpreendida com a recusa da forma de pagamento, sendo a compra paga por outra pessoa, pois a mesma não dispunha do valor na ocasião.


Com informações do TJ/Ma


glaucioportela@yahoo.com.br

 
 
Páginas:
Resultados: 1 to 0 de 0